Avaliação em matemática: Contribuições do feedback para as aprendizagens

Autores

Cleyton Hércules Gontijo, Universidade de Brasília (UnB); Deire Lúcia de Oliveira, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Ildenice Lima Costa, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Wescley Well Vicente Bezerra, Universidade de Brasília (UnB); Meire Nadja Meira de Souza, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Mônica Regina Colaco dos Santos, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Francerly Cardoso da Cruz, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Daniel dos Santos Costa; Cristina de Jesus Teixeira, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Amaral Rodrigues Gomes, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Valdir Sodré dos Santos, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Mateus Gianni Fonseca, Instituto Federal de Brasília (IFB); Mateus Pinheiro de Farias, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Lineu da Costa Araújo Neto, Universidade de Brasília (UnB)
Palavras-chave: Matemática - Estudo e ensino, Avaliação em matemática, Educação matemática

Sinopse

O livro "Avaliação em matemática: contribuições do feedback para as aprendizagens" tem como objetivo problematizar a temática da avaliação, buscando evidenciar o papel do feedback fornecido pelo professor aos estudantes como suporte para as aprendizagens no campo da matemática. Ao enfatizar o feedback, explora um tema pouco presente na literatura sobre avaliação no campo da educação matemática, ressaltando o seu potencial para a autorregulação e para o monitoramento das aprendizagens por parte dos estudantes. Discutir o papel da autoavaliação associada ao feedback na construção da autonomia estudantil também é um dos objetivos dessa obra. Constitui-se por treze capítulos, sendo quatro dedicados a pesquisas no âmbito dos anos iniciais do ensino fundamental, outros quatro capítulos focalizando as práticas avaliativas nos anos finais do ensino fundamental, três têm o ensino médio como campo de investigação e dois capítulos analisam práticas de avaliação na educação superior. Ressalta-se que o livro é resultado de um esforço coletivo que nasceu em um espaço privilegiado de produção de conhecimento nos cursos de mestrado acadêmico e doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Brasília, reunindo pesquisas de professores e estudantes. Espera-se que o seu conteúdo contribua para o avanço da pesquisa no campo da avaliação em matemática e colabore com a formação dos professores e estudantes de graduação e de pós-graduação acerca dessa temática.

Capítulos

  • Prefácio
  • Apresentação
  • Capítulo 1 - Avaliação formativa nos anos iniciais do ensino fundamental: uma análise da mediação com jogos e brincadeiras no campo da matemática
    Meire Nadja Meira de Souza
  • Capítulo 2 - Registro de avaliação: de um documento formal para um instrumento de avaliação formativa em matemática
    Mônica Regina Colaco dos Santos
  • Capítulo 3 - Análise dos feedbacks nas avaliações de um grupo de estudantes com necessidades educacionais
    Francerly Cardoso da Cruz
  • Capítulo 4 - Análise das concepções de um grupo de professores sobre a utilização do feedback da Provinha Brasil em sala de aula e seus possíveis impactos
    Ildenice Lima Costa
  • Capítulo 5 - A autoavaliação na prática avaliativa em matemática
    Daniel dos Santos Costa
  • Capítulo 6 - Avaliação em matemática: leis, discursos e prática
    Deire Lúcia de Oliveira
  • Capítulo 7 - O feedback entre pares como instrumento de autorregulação das aprendizagens na resolução de problemas da OBMEP
    Cristina de Jesus Teixeira
  • Capítulo 8 - O feedback na avaliação formativa de alunos da educação básica: uma percepção de professores
    Amaral Rodrigues Gomes
  • Capítulo 9 - Análise do feedback fornecido aos estudantes por docentes de matemática de ensino médio com base em suas práticas avaliativas
    Valdir Sodré dos Santos, Cleyton Hércules Gontijo
  • Capítulo 10 - Percepções de um grupo de estudantes da educação profissional acerca do feedback no processo de avaliação em matemática
    Mateus Gianni Fonseca
  • Capítulo 11 - Avaliação formativa: percepções de alunos de ensino médio sobre o feedback docente e o rendimento escolar em matemática
    Mateus Pinheiro de Farias
  • Capítulo 12 - Avaliação para as aprendizagens: uma abordagem a partir do trabalho com limites de funções reais num curso de Cálculo 1
    Wescley Well Vicente Bezerra, Cleyton Hércules Gontijo
  • Capítulo 13 - Práticas avaliativas no ensino de Cálculo 1: relato de uma experiência
    Lineu da Costa Araújo Neto

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Capítulo 1. Avaliação formativa nos anos iniciais do ensino fundamental: uma análise da mediação com jogos e brincadeiras no campo da matemática

BERTONI, Nilza Eigenheer. Educação e linguagem matemática 4. Módulo V, vol. 2. Brasília: Universidade de Brasília, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática (1º e 2º ciclos do ensino fundamental). V. 3. Brasília: MEC, 1997.

BROOKHART, Susan M. How to give effective to your students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

BROUSSEAU, Gui. Les obstacles épistémologiques et les problèmes en mathématiques. In: La Probématique et l’enseignement de la mathématique, Louvain-la-Neuve, p. 101-117, 1976.

NUNES, Terezinha; CARRAHER, David; SCHLIEMANN, Analúcia. Na vida dez, na escola zero. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CARVALHO, Marinilza Bruno. Avaliação no mundo contemporâneo. In: As Metodologias de Avaliação e Construção de Indicadores. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna, 2009.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

FORTUNA, Tânia Ramos. Papel do brincar: aspectos relevantes a considerar no trabalho lúdico. Revista do Professor, Porto Alegre, n. 18, v. 71, p. 9-14, jul./set., 2002.

FREITAS, Luiz Carlos et. al. Avaliação Educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

GARANHANI, Marynelma Camargo. Vygotsky na escola: processo de aprendizagem é abordado à luz do sociointeracionismo. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 19, n. 75, p. 5-6, 2003.

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Trad.: Patrícia C. Ramos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Brincadeiras e jogos, aprendizagem e desenvolvimento humano. 14 set. 2017, Bahia. Palestra. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E LUDICIDADE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (ENELUD), 8., Bahia, 2017.

MIRANDA, Simão de. Do fascínio do jogo à alegria do aprender nas séries iniciais. Campinas, SP: Papirus, 2001.

MUNIZ, Cristiano Alberto. Educação e linguagem matemática. In: UnB. Curso de pedagogia para professores em exercício no início de escolarização (PIE) – módulo I, vol. 2. Brasília: FE/SEEDF, 2001.

MUNIZ, Cristiano Alberto. Brincar e jogar: enlaces teóricos e metodológicos no campo da educação matemática. Autêntica: Belo Horizonte, 2010.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médias Sul, 1999.

TOLEDO, Marília Barros de Almeida; TOLEDO, Mauro de Almeida. Teoria e prática de matemática – Como dois e dois. São Paulo: FTD, 2010.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Virando a escola pelo avesso por meio da educação. Campinas: Papirus, 2008.

Capítulo 2. Registro de avaliação: de um documento formal para um instrumento de avaliação formativa em matemática

ALMOULOUD, Sado Ag. Fundamentos da Didática da Matemática. Curitiba: Editora UFPR, 2007.

BRASIL. A Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005, publicada no Diário Oficial da União da data posterior, ou seja, 17/5/05, altera os artigos 6º, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20/12/1996, com fins de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Disponível em: www.senado.gov.br.

BRASIL. Lei n. 11.274, 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos Arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 fev. 2006. Disponível em: www.senado.gov.br.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Trad.: Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. 2 ed. São Paulo: Edições 70, 2011.

DISTRITO FEDERAL. SEEDF. Pressupostos teóricos da educação básica. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal Subsecretaria de Educação Básica. Brasília, 2014a.

DISTRITO FEDERAL. Diretrizes de avaliação educacional: aprendizagem, institucional e em larga escala. Secretaria De Estado De Educação Do Distrito Federal Subsecretaria De Educação Básica. Brasília, 2014b.

DISTRITO FEDERAL. Currículo em movimento da educação básica. Secretaria De Estado De Educação Do Distrito Federal Subsecretaria De Educação Básica. Brasília, 2014c.

DISTRITO FEDERAL. Diretrizes de pedagógicas do bloco inicial de alfabetização, 2° edição. Secretaria De Estado De Educação Do Distrito Federal Subsecretaria De Educação Básica. Brasília, 2012.

DISTRITO FEDERAL. DODF nº 116, de 5/6/2014, p. 13. PARECER Nº 93/2014-CEDF Processo nº 084.000124/2014 Interessado: Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal” (GDF, 2014).

DISTRITO FEDERAL. Orientações pedagógicas: serviço especializado de apoio à aprendizagem. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal Subsecretaria De Educação Básica. Brasília, dez. 2010.

DISTRITO FEDERAL. Regimento interno. Anexo da Ordem de Serviço nº 01, de 11 de dezembro. Brasília, 2009.

DISTRITO FEDERAL. Registro de avaliação - RAv Registro Descritivo e Registro do Conselho de Classe.

Secretaria De Estado De Educação Do Distrito Federal Subsecretaria De Educação Básica. Brasília, nov. 2010.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora UNESP, 2008. 222 p.

FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação da aprendizagem: relações professor-aluno na sala de aula. In: FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação Educacional: caminhando na contramão. 2. ed. Petrópolis, R J: Vozes, 2014. p. 13-32.

LIB NEO, José. Carlos. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, v.46, n. 159, p. 38-62, jan./mar. 2016.

LOPES, Celi Espassandin. MUNIZ, Maria Inês Sparrapan (org.). Discutindo ações avaliativas para as aulas de matemática. In: LOPES, Celi Espassandin. O processo de avaliação nas aulas de Matemática. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2010.

LUCKESI, Cipriano Carlos. A avaliação da aprendizagem: visão geral. Entrevista concedida ao jornalista Paulo Camargo, São Paulo, publicado no caderno do Colégio Uirapuru, Sorocaba - São Paulo. Conferência: AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA ESCOLA, Colégio Uirapuru, Sorocaba, SP, 8 de outubro de 2005. Disponível em: http://www.luckesi.com.br/textos /art_avaliacao_entrev_paulo_camargo2005.pdf.

PERRENOUD, Phillip. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens, entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. A avaliação no bloco inicial de alfabetização no DF. v. 1, p. 12, 2006. Disponível em: http://www.anped.org.br/GT13-1708.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Avaliação formativa e formação de professores: ainda um desafio. Linhas Críticas, Revista da Faculdade de Educação da UNB, Brasília. Jan./jun.2001. Disponível em: http://repositorio.unb.br/10482/1/ARTIGO_AvaliacaoFormativaFormacao.pdf.

Capítulo 3. Análise dos feedbacks nas avaliações de um grupo de estudantes com necessidades educacionais

BLOOM, Benjamin Samuel; HASTINGS, Thomas; MADAUS, George F. Manual de avaliação formativa e somativa do aprendizado escolar. São Paulo: Pioneira, 1983.

BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei nº 9.394). Brasília: Centro Gráfico, 1997.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL/MEC. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001.

BRASÍLIA. Secretaria de Estado da Educação do Distrito Federal. Diretrizes de Avaliação Educacional. Aprendizagem em larga escala. (2014-2016).

BROOKHART, S Susan M. How to give effective feedback to your students. Alexandria: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação Educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis: Vozes, 2009.

HATTIE, J.E.; TIMPERLEY, H. The power of feedback. Review of Educational Research, vol. 77, n. 1, 2007. p. 81–112. In: BROOKHART, S. M. How to give effective feedback to your students. Alexandria: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MUNIZ, Cristiano Alberto. Mediação e Conhecimento Matemático. In: TACCA, Maria Carmem Villela Rosa (org). Aprendizagem e trabalho pedagógico. Campinas: Editora Alínea, 2006.

PERRENOUD, Philippe. Não mexam na minha avaliação! Para uma abordagem sistêmica da mudança pedagógica. In: ESTRELA, Albano; NÓVOA, Antônio (org.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1999.

UNESCO. Declaração de Salamanca e Linhas de Ação sobre necessidades Educativas Especiais. Brasília, 1994.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. As práticas avaliativas e a organização do trabalho pedagógico. 1993. 420f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Avaliação formativa e formação dos professores: ainda um desafio. Revista Linhas Críticas, Brasília, v. 12, n. 22, p. 75-90, jan. /jun. 2006.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Virando a escola pelo avesso por meio da educação. Campinas: Papirus, 2008.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. 8. ed. Campinas: Papirus, 2010.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Capítulo 4. Análise das concepções de um grupo de professores sobre a utilização do feedback da Provinha Brasil em sala de aula e seus possíveis impactos

AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2010.

BRASIL. MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Provinha Brasil – Apresentação. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/provinha-brasil/apresentacao. Acesso em: 20 jun. 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) Provinha Brasil – Objetivos. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/provinha-brasil/objetivos. Acesso em: 20 jun.16.

BROOKHART, Susan M. How to give effective feedback to your students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

COSTA, Ildenice Lima. As concepções e práticas avaliativas em Matemática de um grupo de professores do 5º ano do Ensino Fundamental e suas relações com a Prova Brasil. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

ESTEBAN, Maria Teresa. O que sabe quem erra?: reflexões sobre avaliação e fracasso escolar. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

FREITAS, Luiz Carlos. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas: Papirus, 1995.

FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação Educacional – Caminhando pela contramão. (Coleção Fronteiras Educacionais). Petrópolis: Vozes, 2009.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Virando a escola do avesso por meio da avaliação. 2. ed. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). Campinas: Papirus, 2013.

Capítulo 5. A autoavaliação na prática avaliativa em matemática

BURIASCO, Regina Luzia Corio; SILVA, Márcia Cristina Nagy. Análise da produção escrita em matemática: algumas considerações. Ciência & Educação, Bauru, nº 3, p. 499-512, out. 2005.

CASTILLO ARREDONDO, Santiago; CABRERIZO DIAGO, Jesús. Avaliação educacional e promoção escolar. Curitiba: Ibepex; São Paulo: Unesp, 2009.

COSTA, Daniel dos Santos. Poliedros e presentes. Revista do professor de matemática, São Paulo, nº 53, p. 13-14, jan/abr, 2004.

GIL, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Trad.: Patrícia C. Ramos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Pontos e contrapontos: do pensar ao agir em avaliação. Porto Alegre: Mediação, 2003.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2003.

MUNIZ, Cristiano Alberto. A produção de notações matemáticas e seu significado. In: FÁVERO, Maria Helena e CUNHA, Célio. Psicologia do conhecimento: o diálogo entre as ciências e a cidadania. Brasília: UNESCO, Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília, Líber Livro Editora, 2009.

PAVANELLO, Regina Maria; NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatius. Avaliação em matemática: algumas considerações. Estudos em Avaliação Educacional, Campinas, vol. 17, nº. 33, p. 29-41, jan./abr. de 2006.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

RÉGNIER, Jean-Claude. A autoavaliação na prática pedagógica. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, vol. 3, n. 6, p. 53-68, maio/ago. de 2002.

SANMARTÍ, Neus. Avaliar para aprender. Porto alegre: Artmed, 2009.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Virando a escola do avesso por meio da avaliação. Campinas: Papirus, 2009.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. Campinas: Papirus, 2005.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Avaliação formativa: em busca do desenvolvimento do aluno, do professor e da escola. In: VEIGA, Ilma P. A.; FONSECA, Marília (org.). As dimensões do projeto político – pedagógico: novos desafios para a escola. Campinas: Papirus, 2001.

Capítulo 6. Avaliação em matemática: leis, discursos e prática

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O Método nas Ciências Naturais e Sociais. Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo; tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BOURDIEU, Pierre; CHAMPAGNE, Patrick. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (org.). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 1998.

BROOKHART, Susan M. How to give effective feedback to your students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

DAVIS, Cláudia L. F., NUNES, Marina M. R. Eu sei o que tenho que fazer: a conquista da autorregulação. In: Revista Estudos em avaliação educacional, São Paulo, v. 27, n. 64, p. 10-35, jan./abr. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v27i64.3673.

EARL, Lorna. Assessment as Learning: Using Classroom Assessment to Maximize Student Learning. Thousand Oaks, CA: Corwin Press, 2003. OECD/CERI. Assessment for Learning - Formative Assessment. International Conference “Learning in the 21st Century: Research, Innovation and Policy”. OECD/CERI: Paris, 2008.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

FERNANDES, Domingos. Pesquisa de percepções e práticas de avaliação no ensino universitário português. Revista Estudos em avaliação educacional, São Paulo, v. 26, n. 63, p. 596-629, set./dez. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v26i63.3687.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sérgio. Investigação em educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. 2ª Ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

FRANCO, Maria Laura P. B. Análise de Conteúdo. (Série Pesquisa em Educação). V. 6. Brasília: Liber Livro Editora, 2008.

GASKELL, George. Entrevistas Individuais e grupais. In: BAUER, Martin W; GASKELL, George (org.) Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. – 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 64-89.

GIL, Antonio C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GONSALVES, Elisa Pereira. Iniciação à Pesquisa Científica. Campinas (SP): Alínea, 2010.

LÜDKE, Menga. ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

ROCHA, Cristino Cesário. Perfil do coordenador pedagógico: obstáculos e pistas de ação. SinProDF, 2015. Disponível em: http://www.sinprodf.org.br/wp-content/uploads/2015/03/perfil-do-coordenador-pedagu00d3gico-e-pistas-de-au00c7u00c3o-para-organizau00c7u00c3o-e-planejamento.pdf. Acesso em: 31 maio 2016.

SANTOS, Leonor. Dilemas e desafios da avaliação reguladora. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/jspui/bitstream/10451/5286/1/Santos%20(2008).pdf. Acesso em: 21 mar. 2016.

SEEDF. Diretrizes de Avaliação Educacional da Secretaria de Estado da Educação do Distrito Federal. In: Diretrizes Pedagógicas da Secretaria de Estado de Educação. Brasília - DF, 2014.

SEEDF. Currículo em Movimento – Pressupostos teóricos. Brasília: DF, 2013a.

SEEDF. Currículo em Movimento – Educação de Jovens e Adultos. Livro 7. Brasília: DF, 2013b.

SZYMANSKI, Heloísa. A Entrevista na educação: a prática reflexiva. Heloísa Szymanski (org.), Laurinda Ramalho de Almeida, Regina Célia de Almeida Rego Prandini. – Brasília: Liber Livro Editora, 2004. 3ª Ed. 2010.

VASCONCELLOS, Celso S. Avaliação classificatória e excludente e a inversão fetichizada da função social da escola. In: FERNANDES, Cláudia de O. (org.). Avaliação das aprendizagens: sua relação com o papel social da escola. São Paulo: Cortez, 2014.

VIANNA, Heraldo M. Pesquisa em Educação: a observação. (Série Pesquisa em Educação, v. 5). Brasília: Liber Livro Editora, 2003.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Tradução Zoia Prestes. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais. Rio de Janeiro, n. 8, p. 23 – 36, 2008 [1933].

VILLAS BOAS, Benigna M. F. Avaliação formativa e formação de professores: ainda um desafio. Linhas Críticas, Brasília, v. 12, n. 22, p. 75-90, jan./jun. 2006.

VILLAS BOAS, Benigna M. F. Virando a escola pelo avesso por meio da avaliação. Campinas: Papirus, 2008.

Capítulo 7. O feedback entre pares como instrumento de autorregulação das aprendizagens na resolução de problemas da OBMEP

BAGATINI, Alessandro. Olimpíadas de Matemática, Altas Habilidades e Resolução de Problemas. Graduação (Licenciatura em Matemática) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

BIONDI, Roberta Loboda; VASCONCELLOS, Lígia; MENEZES-FILHO, Naercio Aquino. Avaliando o Impacto da OBMEP - Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas - na qualidade da educação, 2012. Disponível em: http://server22.obmep.org.br:8080/media/servicos/recursos/251396.o. Acesso em: 08 maio 2016.

BROOKHART, Susan M. How to give effective feedback to your students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE. Avaliação do impacto da Olimpíada Brasileira de Matemática nas escolas públicas – OBMEP 2010. Brasília, 2011. Disponível em: http://server22.obmep.org.br:8080/media/servicos/recursos/251395.o. Acesso em: 07 maio 2016.

DANTE, Luiz Roberto. Didática da Resolução de problemas de matemática. 12ª ed. São Paulo: Ática, 2003.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação Educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

HADJI, Charles. Ajudar os alunos a fazer a autorregulação de sua aprendizagem: por quê? Como? Visando um ensino com orientação construtivista. Tradução: Laura Pereira. Pinhais: Melo. 2011.

HADJI, Charles. Avaliação Desmistificada. Trad. Patrícia C. Ramos. Porto Alegre, Artmed 2001.

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP). Dados e números sobre a OBMEP. Disponível em: http://www.obmep.org.br/. Acesso em: 6 e 7 jun. 2016.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porta Alegre: ed. Artes médicas, 2000.

PERRENOUD, Philippe. Não mexam na minha avaliação! Para uma abordagem sistêmica da mudança pedagógica. In: ESTRELA, Albano; NÓVOA, Antônio (org.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1999.

POLYA, George. A arte de resolver problemas. Primeira reimpressão. Tradução e adaptação: Heitor Lisboa de Araújo. Rio de janeiro: Interciências, 1986.

SECRETARIA DE ESTADO E EDUCAÇ O DO DF. Secretaria do Centro de Ensino Fundamental CASEB (CEF CASEB). Brasília, 2016.

SOARES, Camila M. Machado; LEO, Elisabette; SOARES, José Francisco. Impacto da Olimpíada Brasileira de Escolas Públicas (OBMEP) no Desempenho em Matemática na Prova Brasil, ENEM e PISA, 2014. Disponível em: http://server22.obmep.org.br:8080/media/servicos/recursos/420951.o. Acesso em: 08 maio 2016.

ZIMMERMAN, Barry J. Attaining self-regulation. A social cognitive perspective. In: BOEKAERTS, M.; PINTRICH, P.; ZEIDNER, M. (ed.). Handbook of self regulation. New York, San Diego: Academic Press, 2000, p. 13-39.

ZIMMERMAN, Barry J. Investigating self-regulation and motivation: historical background, methodological developments, and future prospects. American Educational Research Journal, v. 45, p. 166-183, 2008.

Capítulo 8. O feedback na avaliação formativa de alunos da educação básica: uma percepção de professores

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. Ed. Parábola: São Paulo, 2013.

BROOKHART, Susan M. How to give effective feedback to your students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação Matemática: teoria à pratica. Campinas-SP: Papirus, 2012.

EARL, Lorna; KATZ, Steven. Rethinking Classroom Assessment with Purpose in Mind. Western and Northern Canadian Protocol for Collaboration in Education, 2006.

ESTEBAN, Maria Teresa (org.). Escola, currículo e avaliação. São Paulo: Cortez, 2004.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

FERNANDES, Domingos. Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em avaliação Educacional, v. 19, n. 41, set./dez. 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

HADJI, Charles. A avaliação, regras do jogo. Portugal: Porto, 1994.

HAYDT, Regina Cazaux. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo: Ática, 2004.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas S. A, 2010.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação - da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

RIBEIRO, Célia. Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 109-116, 2003.

Capítulo 9. Análise do feedback fornecido aos estudantes por docentes de matemática de ensino médio com base em suas práticas avaliativas

ALBUQUERQUE, Leila Cunha. Avaliação da Aprendizagem: percepções e práticas do professor de Matemática dos anos finais do Ensino Fundamental. 165f. 2012. Dissertação (Mestrado em Matemática – Universidade de Brasília, UnB, Brasília, 2012.

ALBUQUERQUE, Leila Cunha; GONTIJO, Cleyton Hércules. Concepções apresentadas por professores de Matemática acerca da avaliação da aprendizagem. V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Petrópolis/RJ: V SIPEM, 2012. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/files/v_sipem/PDFs/GT08/CC82683662149_A.pdf. Acesso em: 10 jul. 2016.

ARAÚJO, Ivanildo Amaro de. Práticas Avaliativas. In: Bases Pedagógicas do Trabalho Escolar III. Módulo IV, v. 1, Curso PIE, FE/UnB, Brasília/DF: Ed. UnB, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília/DF: MEC/SEMT, 1999.

BROOKHART, Susan M. How to Give Effective Feedback to your Students. Virginia/USA: Association for Supervisionand Curriculum Development, 2008.

BURIASCO, Regina L.C; SOARES, Maria T. C. Avaliação de Sistemas Escolares: da classificação dos alunos à perspectiva de análise de sua produção matemática. In: VALENTE, Wagner Rodrigues (org). Avaliação em Matemática: História e Perspectivas Atuais. Campinas, SP: Papirus, 2008.

CASTILLO ARREDONDO, Santiago; CABRERIZO DIAGO, Jesús. Avaliação Educacional e Promoção Escolar. Tradução de Sandra Marília Delinsky. Curitiba/PR: IBPEX; São Paulo/SP: Unesp, 2009.

COSTA, Daniel dos Santos. Autoavaliação em Matemática: uma experiência com alunos das séries finais do Ensino Fundamental. 2013. 101f. Dissertação (Mestrado em Matemática – Universidade de Brasília, UnB, Brasília, 2013.

COUTINHO, Clara Pereira. Quantitativo versus qualitativo: questões paradigmáticas na pesquisa em avaliação. Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho. Atas do XVII Colóquio ADMEE – Europa, nov/2004, p. 436-448. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/6469. Acesso em: 05 dez. 2013.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Diretrizes de avaliação – triênio 2014 – 2016. Versão preliminar para validação junto as CRE’s e GREB’s. Brasília/DF: SEEDF/SUBEP, 2014a. Disponível em: http://www.cre.se.df.gov.br/ascom/documentos/linkpag/diretrizes_avaliacao_jan14.pdf. Acesso em: 18 jul. 2014.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Diretrizes de avaliação do processo de ensino e de aprendizagem para a educação básica. Brasília/DF: SEEDF, 2008.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática. 4ª ed. São Paulo: Ed. Ática, 1998.

FAHE, Adelaide; PIRES, Manoel Vara. Avaliação das aprendizagens – concepções e práticas seguidas por professores de matemática. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, Bragança/Portugal, v. extr., nº 10, s/p., 2015.

FERNANDES, Domingos. Avaliação das Aprendizagens: desafios às teorias, práticas e políticas. Lisboa: Texto Editores, 2008.

FIORENTINI, Dario. A Pesquisa e as Práticas de Formação de Professores de Matemática em face das Políticas Públicas no Brasil. Revista Bolema, Rio Claro/SP, Ano 21, nº 29, p. 43 a 70, 2008.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed., São Paulo/SP: Atlas, 2012.

GÜNTHER, Hartmut. Como elaborar um questionário. In: PASQUALI, Luiz. Instrumentos Psicológicos: Manual Prático de Elaboração. Brasília/DF: LabPAM/IBAPP, 1999, p. 231-258.

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Trad.: Patrícia C. Ramos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover – As setas do caminho. 10ª ed. Porto Alegre: Ed. Mediação, 2008.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora – uma prática em construção da pré-escola à universidade. 20ª ed., Porto Alegre: Ed. Mediação, 2003a.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação – mito & desafio: uma perspectiva construtivista. 32ª ed. Porto Alegre: Ed. Mediação, 2003b.

LORENZATO, Sérgio. Para aprender matemática. 3ª ed. Campinas: Autores Associados, 2010.

MUNIZ, Cristiano Alberto. Ser educador matemático. VI Encontro Brasiliense de Educação Matemática/VI EBREM, Brasília/DF, set./2014.

PINTO, Neusa Bertoni. O erro como estratégia didática. Campinas: Papirus, 2000.

REGO, Teresa Cristina. Vygotsky – Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 14ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2002.

SANTOS, Valdir Sodré dos. Percepções de docentes de matemática de ensino médio em relação ao processo de avaliação da aprendizagem. 2015. 171 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. A Avaliação na escola. Módulo III, PedEaD, Brasília/DF: Universidade de Brasília, 2007. Disponível em: http://www.fe.unb.br/graduacao/online/modulos-ped-ead-acre/modulo-3/a-avaliacao-na-escola. Acesso em: 09 out. 2013.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Construindo a avaliação formativa em uma escola de Educação Infantil e Fundamental. In: VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas (org.). Avaliação: políticas e práticas. 2ª ed. Campinas/SP: Papirus, 2004.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Avaliação para a aprendizagem na formação de professores. Cadernos de Educação, Brasília, nº 26, p. 57-77, jan/jun. 2014.

Capítulo 10. Percepções de um grupo de estudantes da educação profissional acerca do feedback no processo de avaliação em matemática

BROOKHART, Susan M. How to give effective feedback to your students. Alexandria: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

EARL, Lorna; KATZ, Steven. Rethinking classroom assessment with purpose in mind. Western and Northern Canadian Protocol for Collaboration in Education, 2006.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

FONSECA, Mateus Gianni. Construção e validação de instrumento de medida de criatividade no campo da matemática para estudantes concluintes da Educação Básica. 2015. 104f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília.

FONSECA, Mateus Gianni. Avaliação “ativa” do processo de ensino-aprendizagem da Matemática: uma experiência produtiva. In: Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática: Educação Matemática: retrospectivas e perspectivas. Paraná / Guarapuava, 2013.

FREITAS, Luiz Carlos. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. 7ª Ed. Campinas: Papirus, 2005.

GONTIJO, Cleyton Hércules. Relações entre criatividade, criatividade em matemática e motivação em matemática de alunos do ensino médio. 2007. 194f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 22 n. 2, maio/ago., 2006.

LOPES, Celi E.; MUNIZ, Maria Ignez S. (org.). O processo de avaliação nas aulas de matemática. Campinas: Editora Mercado de Letras, 2010.

LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22ª Ed. São Paulo: Editora Cortez, 2011.

OECD/CERI. Assessment for learning – formative assessment. International Conference “Learning in the 21st Century: Research, Innovation and Policy”. OECD/CERI: Paris, 2008.

PAVANELLO, Regina Maria; NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatus. (2006). Avaliação em matemática: algumas considerações. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 17, n. 33, p. 29-42, jan./abr., 2006.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinariedade: o currículo integrado. Trad.: Claúdia Schilling. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

Capítulo 11. Avaliação formativa: percepções de alunos de ensino médio sobre o feedback docente e o rendimento escolar em matemática

ALMEIDA, Maria Madalena Ribeiro. Insucesso na Matemática: as percepções dos alunos e as percepções dos professores. 2011. 146 f. Dissertação (Mestrado em Supervisão e Coordenação da Educação) – Universidade Portucalense, Portugal, 2011.

BASTOS, Mônica Rabelo. O feedback oral: um estudo sobre a própria prática, em matemática, no 1° ciclo do Ensino Básico. 2015. 146 f. Dissertação (Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico) – Instituto Politécnico de Setúbal: IPS, Portugal, 2015.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília, 1996.

BROOKHART, Susan M. How to give effective feedback to your students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

CARVALHO, Carolina et al. Escala de Percepção dos Alunos sobre o Feedback dos Professores: Construção e validação. Laboratório de Psicologia, v. 12, n. 2, p. 113-124, 2014.

EARL, Lorna; KATZ, Steven. Rethinking classroom assessment with purpose in mind. Western and Northern Canadian Protocol for Collaboration in Education, 2006.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

INEP. Resultados nacionais – Saeb 2009: Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2011. Disponível em: http://www.inep.gov.br. Acesso em: jun. 2016.

INEP. Resultados nacionais – Pisa 2012: Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013. Disponível em: http://www.inep.gov.br. Acesso em: jun. 2016.

KRAWCZYK, Nora. Reflexão sobre alguns desafios do ensino médio no Brasil hoje. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 144, p. 752-769, 2011.

LIMA, Iranete Maria da Silva. Prática Docente: conhecimentos que influenciam as decisões didáticas tomadas por professores. In: DIAS, A. A; MACHADO, C. J. S.; NUNES, M. L. S. (org.). Educação, Direitos Humanos e Inclusão Social: currículo, formação docente e diversidades socioculturais. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2009. v. 1, p. 51-67.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Elisa D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

MUNIZ, Cristiano Alberto. O professor como construtor do conhecimento. Brasília: GEPEM – UnB, 2001.

NICOL, David J.; MACFARLANE, Debra. Formative assessment and self‐regulated learning: a model and seven principles of good feedback practice, Studies in Higher Education, v. 31, n. 2, p. 199-218. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/03075070600572090. Acesso em: jun. 2016.

OECD/CERI. Assessment for Learning - Formative Assessment. International Conference “Learning in the 21st Century: Research, Innovation and Policy”. OECD/CERI: Paris, 2008.

PERRENOUD, Philippe. Não mexam na minha avaliação! Para uma abordagem sistêmica da mudança pedagógica. In: ESTRELA, Albano; NÓVOA, Antônio (org.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1999.

ROMANOWSKI, Joana Paulim, WACHOWICZ, Lílian Anna. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. In: ANASTASIOU, Lea das Graças Camargo. SC: UNIVILLE, 2003.

SEEDF. Diretrizes de avaliação educacional: aprendizagem, institucional e em larga escala. Brasília, DF, 2014.

SILVA, Adelina Lopes; DUARTE, A.; SÁ, I.; SIMÃO, A. Aprendizagem autorregulada pelo estudante: perspectivas psicológicas e educacionais. Porto: Porto Editora, 2004, p. 11-39.

SMOLE, Kátia Stocco. DINIZ, Maria Ignez. Da denúncia às metas educacionais de um país. Revista Pátio, n, 13. 2012.

Capítulo 12. Avaliação para as aprendizagens: uma abordagem a partir do trabalho com limites de funções reais num curso de Cálculo 1

BROOKHART, Susan M. How to give effective feedback to yours students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development, 2008.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem componente do ato pedagógico. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MANITOBA EDUCATION, CITIZENSHIP AND YOUTH. Rethinking classroom assessment with purpose in mind. Assessment for learning, assessment as learning, assessment of learning. 2006. Disponível em: www.edu.gov.mb.ca/ks4/assess/wncp/index.html. Acesso em: 22 abr. 2016.

REZENDE, Wanderley Moura. O ensino de cálculo: dificuldades de natureza epistemological. 2003. 450 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da USP. Universidade São Paulo, São Paulo, 2003.

THOMAS, George B. et al. Cálculo. Volume 1. 11 ed. São Paulo: Addison Wesley, 2009.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n.3, p. 443-466, set./dez. 2005.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Secretaria de Administração Acadêmica. Histórico Escolar: estatística de menções. Brasília: UnB/SAA/SIGRA, 2014.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Avaliação para a aprendizagem na formação de professores. Cadernos de Educação, Brasília, n. 26, p. 57-77, jan./jun. 2014.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Compreendendo a avaliação formativa. In: VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas (org.). Avaliação Formativa: práticas inovadoras. Campinas, SP: Papirus, 2011.

Capítulo 13. Práticas avaliativas no ensino de Cálculo 1: relato de uma experiência

ANDRADE, Dalton Francisco; TAVARES, Heliton Ribeiro; VALLE, Raquel da Cunha. Teoria da resposta ao item: conceitos e aplicações. São Paulo: Associação Brasileira de Estatística, 2000.

BROOKHART, Susan. How to give effective feedback to your students. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum Development (ASCD), 2008.

MAT/UnB. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Cálculo1 – Plano de Ensino. MAT – UnB, 2016.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. (Coleção Fronteiras Educacionais). Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

LOPES, Celi Espasandin. Discutindo ações avaliativas para as aulas de matemática. In: LOPES, Celi Espasandin; MUNIZ, Maria Inês Sparrapan (org.). O Processo de avaliação nas aulas de matemática. Série Educação Matemática. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010, p. 135-149.

MORALES, Pedro. Avaliação escolar: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

MORETTO, Vasco Pedro. Prova: um momento privilegiado de estudo – não um acerto de contas. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2002.

OECD/CERI. Assessment for learning - formative assessment. International Conference “Learning in the 21st Century: Research, Innovation and Policy”. OECD/CERI: Paris, 2008.

PERRENOUD, Philippe. Não mexam na minha avaliação! Para uma abordagem sistêmica da mudança pedagógica. In: ESTRELA, Albano; NÓVOA, Antônio (org.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1999.

THOMAS, George et al. Cálculo, volume 1. 12 ed. São Paulo: Addison Wesley, 2012.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Guia do Calouro 1º/2016. Decanato de Ensino de Graduação. Brasília: Editora UnB, 2016.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Matrícula Web. Disponível em: http://www.matriculaweb.unb.br. Acesso em: 08 jul. 2016.

VIANNA, Heraldo Marelim. Fundamentos de um programa de avaliação educacional. Brasília: Líber Livro Editora, 2005.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Virando a escola do avesso por meio da avaliação. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). Campinas, SP: Papirus, 2013.

WNCP. Rethinking classroom assessment with purpose in mind: assessment for learning, assessment as learning, assessment of learning. Western and Northern Canadian Protocol for Collaboration in Education, 2006.

Capa para Avaliação em matemática: Contribuições do feedback para as aprendizagens
Publicado
setembro 18, 2020

Detalhes sobre essa publicação

ISBN-13 (15)
978-65-5846-036-7
doi
10.26512/ldaa.61.47
Bookmark and Share