O acesso ao conhecimento científico pela sociedade em geral tem conquistado espaço (MUELLER; CARIBÉ, 2010), desde os primórdios com as trocas de cartas, monografias, livros entre os cientistas com a invenção da imprensa, até os eventos e periódicos científicos.  Esse processo tem se intensificado com o crivo das tecnologias, tanto o fazer científico quanto as publicações científicas estão passando pela atualização e uso das tecnologias, entre eles os suportes em meio digital.

O consumo de arquivos digitais tem sido cada vez mais comum como o uso de pdf's (ARARUNA; PINHEIRO; CARNEIRO, 2013), e consequente popularização dos leitores de textos digitais, os readers. Neste contexto o uso do livros digitais também tem se intensificado, surgem como uma opção de acesso rápido, ilimitado e moderno à informação, além da preservação, e surge como uma forma de "favorecer a natureza e promovendo a sustentabilidade evitando o uso de diversos matérias que compõe a fabricação dos exemplares impressos" (ARARUNA; PINHEIRO; CARNEIRO, 2013, p. 7).

O movimento de acesso aberto teve início com a Convenção de Santa Fé em 1999 (RIOS; LUCAS. AMORIM, 2019). No Brasil esse movimento foi difundido e teve como pioneiro o Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia (IBICT) que fomentou a criação de periódicos científicos e outras práticas, como repositórios institucionais e bibliotecas digitais de teses e dissertações.

O Portal de Livros Digitais da UnB é uma iniciativa da Biblioteca Central (BCE) que visa reunir em um único ambiente livros digitais produzidos no âmbito da Universidade de Brasília com acesso aberto à toda comunidade acadêmica e sociedade em geral. O Portal utiliza o Open Monograph Press (OMP), um software desenvolvido para a construção e gestão de livros eletrônicas. Esta ferramenta contempla ações essenciais à automação das atividades de editoração de livros. 

Referências:

ARARUNA, W. F.; PINHEIRO, A. C. L.; CARNEIRO, G. B. A influência dos livros digitais no acesso a informação: uma comparação entre o livro digital e o impresso. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/69639. Acesso em: 13 dez. 2019.

MUELLER, Suzana P. M.; CARIBÉ, Rita de Cássia do Vale. A comunicação científica para o público leigo: breve histórico. Informação & Informação, [S.l.], v. 15, n. 1 esp, p. 13-30, dez. 2010. ISSN 1981-8920. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/6160. Acesso em: 13 dez. 2019. doi: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2010v15n1espp13.

RIOS, Fahima Pinto; OLIVEIRA LUCAS, Elaine Rosangela; SOARES AMORIM, Igor. Manifestos do movimento de acesso aberto: Análise de Domínio a partir de periódicos brasileiros. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 148-169, jan. 2019. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1152. Acesso em: 13 dez. 2019.