Poemadançando: Gilka Machado e Eros Volúsia

Autores

Soraia Maria Silva
Universidade de Brasília (UnB)
https://orcid.org/0000-0002-4472-9851

Sinopse

Este livro desenvolve uma leitura interdisciplinar entre a poesia simbolista de Gilka Machado (1893 -1980) e a dança de Eros Volúsia (1914-2004)- A dança de Eros Volúsia mantém, em sua estética do movimento, muitas referências simbolistas, expressionistas e modernistas, que foram esboçadas ou mesmo desenvolvidas nos poemas de Gilka Machado. Desse modo, tornou-se fecundo realizar um estudo aprofundado, interrelacionando as obras dessas duas personalidades da literatura e da dança, as quais, tendo produções independentes e reconhecidas, cada uma em sua área de atuação estética, mantinham um estreito diálogo, para além dos laços familiares, no campo artístico. Uma das preocupações dessa analogia é verificar a imagem metafórica que se apresenta como poesia nos passos e nos textos de Eros Volúsia e como dança nas palavras poéticas de Gilka Machado. O estudo aqui proposto só foi possível mediante o acesso ao material de consulta, como recortes de jornais, revistas e entrevistas, gentilmente cedidos pela bailarina e seu sobrinho Amaury Menezes. Resgatar o texto do bailarino, tanto na obra de Eros Volúsia como nos trabalhos literários de sua mãe, Gilka Machado, é de fundamental importância para a compreensão e o desenvolvimento de metodologias e estudos interdisciplinares e multidisciplinares, conjugando o encontro poético entre literatura e dança. Da tradução intersemiótica à dansintersemiotização,1 passando pela dansintermediação,2 surge a mediação entre linguagens, um filtro de interpretação e transposição criativa. Nesse caminho, rompendo a intraduzível poesia3 com a transmutação de valores, gestos de criação poética, os quais já abriram caminho para investigações sobre a tradução, além dos lingüísticos,4 tem-se aqui o poemadançado analisado por um método híbrido.

Capítulos

  • Algumas palavras preliminares
  • 1. Poesia e dança: linguagem em movimento
  • 2. Transmutação semiótica
  • 3. Os primeiros passos dos versos
  • 4. Nietzsche e a fundação da nova dança
  • 5.O texto do bailarino
    a dansintersemiótica na leitura Gilka/Eros
  • 6. A dança das palavras
    aspectos de uma simbiose artística
  • 7. Os últimos passos para o início
  • Anexo
    Entrevista realizada com Eros Volúsia
  • Referências

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Soraia Maria Silva, Universidade de Brasília (UnB)

Graduada em Dança pela Universidade Estadual de Campinas (1989), mestre em Artes pela Universidade Estadual de Campinas (1994) e doutora em Literatura pela Universidade de Brasília (2003). Atualmente é professora da Universidade de Brasília.

Referências

Publicações de Eros Volúsia

VOLÚSIA, Eros. Dança brasileira. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1939.

________. Eu e a dança. Revista Continente Editorial, Rio de Janeiro, 1983.

________. Aspects of Brazilian ethnie dance. Dance Magazine, New York, Vol. XXIII, n. 6, p. 18 - 21, jun. 1949.

PUBLICAÇÕES SOBRE EROS VOLÚSIA

ANDRADE, Mário. Eros Volúsia. O Estado de S. Paulo, São Paulo, ano IX, n. 142. Primeira quinzena de setembro de 1939. Suplemento em Rotogravuras.

AULER, Hugo. A vocação maravilhosa da dança expressionista de Eros Volúsia. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 8 set. 1931.

AZEVEDO, Clóvis de. Eros Volúsia dança a vida. Radar, São Paulo, capa, n. 53, 28 abr. 4 maio 1950.

DANTAS, Mirbel. A coreografia universal. Revista Vitrina, Rio de Janeiro, p. 51, nov. 1942.

FAIG, Carlos H. Cálidos aplausos recibió anoche Eros Volúsia. El Diário de Buenos Aires, Buenos Aires, Crítica, 3 ago. 1936.

MELO, Vieira de. Falando sobre "minha vida" de Isadora Duncan. Vamos Ler, Rio de Janeiro, 21 set. 1944.

________. Dança nova e dança brasileira. Vamos Ler, Rio de Janeiro, p. 15, 5 out. 1944.

_______. Mensagem de carne radiosa. Vamos Ler, Rio de Janeiro, p. 14, 21 set. 1944.

MIGUÉIS, Armando. Eros Volúsia. Carioca, Rio de Janeiro, p. 47, 11 fev. 1944.

NASSER, David. Invasão do frevo. Rio de Janeiro, O Cruzeiro, p. 9-10, 3 fev. 1945.

ORSINI, Maria Stella. Eros Volúsia, a precursora de todas as precursoras. Comunicarte, Campinas, ano V, n. 9/10, 1987. Revista semestral do Instituto de Artes e Comunicações da Universidade Católica de Campinas.

PAIVA, Salviano Cavalcânti de. Estudo em pianíssimo. Celebridades, Rio de Janeiro, p. 3, 2 out. 1945.

PONTES, Leonesy. Programa da temporada de Eros Volúsia na Bahia. [s. d.].

RODRIGUES, Augusto. Eros venceu em Paris. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, p. 87, dez. 1948.

SILVAL, G. Dança de negros. Jornal Meio Dia, Rio de Janeiro. 4 nov. 1940.

SILVA, Soraia Maria. Criadora do balé brasileiro. Correio Braziliense, Brasília, Caderno Cultura, p. 21, 26 fev. 2002.

STORNI, Alfonsina. Bellas y cálidas fueron las palabras de Alfonsina. El Diário de Buenos Aires, Buenos Aires, Crítica, 4 ago. 1936.

XAVIER, Carlota. No mundo do som. A Tarde, Salvador, 22 fev. 1956.

PERIÓDICOS SEM ASSINATURA SOBRE EROS VOLÚSIA

A CRIAÇÃO do bailado brasileiro. Walkyrias, Rio de Janeiro, ano VI, n. 62, p. 30, set. 1939.

A MEMÓRIA fotográfica do Brasil no século XX (1930-1945). Eros Volúsia. Revista Nosso Século, São Paulo, Abril Cultural, n. 29, p. 260.

DANÇA brasileira. Diário de Pernambuco, 11 jun. 1937.

EROS Volúsia convidada para uma tournée na Escandinavia. Vanguarda, Rio de Janeiro, 10 nov. 1948.

EROS Volúsia gran danzarina. Elite, Buenos Aires, 25 out. 1941.

EROS Volúsia, sacerdotisa dos ritmos nacionais. Jornal Amanhã, Rio de Janeiro, p. 5, 21 set. 1941.

LA REINE de la samba à Paris. Libération, Paris, n. 1240, set. 1948.

LA RUMBA si balla con i capelli. Tempo, Milano, n. 44, p. 20-21, nov. 1950.

LATIN star amazed by Hollywood. Journal American, New York, Saturday, Feb. 21, 1942.

O FREVO no carnaval Pernambucano. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 18 fev. 1939.

PARTICIPAÇÃO de Eros Volúsia e Grande Otelo na festa da União Nacional de Estudantes. A Manhã, Rio de Janeiro, 1a. fev. 1945.

VVAA. Eros Volúsia através da crítica. Rio de Janeiro (folheto corrompido pelo tempo, sem dados de publicação, original em posse do Centro de Documentação e Pesquisa em dança Eros Volúsia do Departamento de Artes Cênicas da Universidade de Brasília).

ZEQUINHA de Abreu e suas grandes composições. Vanguarda, Rio de Janeiro, p. 7, 2 dez. 1946.

EROS Volúsia. Suplemento Literário de A Manhã, p. 224, 20 out. 1943.

EROS Volúsia. Diário da Noite, 1948.

EROS Volúsia ofreció com éxito una sesión de bailes brasileños. La Prensa, Buenos Aires, 3 ago. 1936.

DE VOLTA de Buenos Aires a bailarina Eros Volúsia. Diário da Noite, 12 ago. 1936.

UN NUEVO estilo de danzas creó Eros V. Machado. El Diário de Buenos Aires, Buenos Aires, Crítica, 15 set. 1936.

LA POETA brasileña Gilka Machado trae, expresa, el mejor poema: su hija. El Diário de Buenos Aires, Buenos Aires, Crítica, 16 jul. 1936.

RECEBEU o batismo da macumba e dançou com índios do Araguaia. Diário da Tarde, Belo Horizonte, 8 jun. 1944.

DANÇA Brasileira. Diário de Notícias, 25 maio 1958.

PUBLICAÇÕES DE GILKA MACHADO

MACHADO, Gilka. Cristais partidos. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos, 1915.

________. A revelação dos perfumes. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos, 1916. (Conferência).

________. Estados d'alma. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos, 1917.

________. Poesias: cristais partidos e estados d'alma. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos, 1918.

________. Mulher nua. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos, 1922.

________. Meu glorioso pecado. Rio de Janeiro: Editora Erba de Almeida, 1928.

________. Amores que mentiram, que passaram. Rio de Janeiro: Editora Erba de Almeida, 1928.

________. Carne e alma (poemas escolhidos). Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1931. (Coleção Benjamin Constallat).

________. Sublimação. Rio de Janeiro: Batista de Souza, 1938.

________. Meu rosto: antologia. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1947.

________. Velha poesia (poemas escolhidos). Rio de Janeiro: Batista de Souza, 1965. (Instituto Nacional do Livro).

________. Poesias completas. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial, 1991.

________. Carta aberta — ao ilustre articulista que se assina Lia de Santa Clara. O País, Rio de Janeiro, 16 fev. 2003.

________. Poesias completas. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial, 1999.

PUBLICAÇÕES SOBRE GILKA MACHADO

ATHAYDE, Austregésilo de. Mulher nua. Jornal Correio da Manhã, Rio de Janeiro, [s./d.].

BRAZIL, Érico Vital; SCHUMAHER, Schuma. Dicionário mulheres do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

CARVALHO, Deoclydes de. A nota do dia. Gazeta da Tarde, Rio de Janeiro, 1914.

CLARA, Lia de Santa. Cristais partidos. O País, Rio de Janeiro, 13 fev. 1916.

FONSECA, Gondin da. Gilka Machado, primeira poeta do Bra­sil. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 9 abr. 1933.

GALHARMANE, José. D. Gilka Machado publica seu livro de es­tréia. A Notícia, Rio de Janeiro, 6 jan. 1916.

GOTTLIEB, Nadia. Com Dona Gilka Machado Eros pede a pala­vra: poesia erótica brasileira no início do século XX. Polímica, Re­vista de Crítica e Criação, São Paulo, n. 4, p- 23-47, 1982.

GUIMARÃES, Jaime, Gilka Machado. Faceira, Rio de Janeiro, 1916.

LUIZ, Fábio. Resenha da livros. A Época, Rio de Janeiro, 13 fev. 1916.

MAGALHÃES, Adelino. Cristais partidos. Revista Parlamentar, Rio de Janeiro: 10

fev. 1916.

MACIEL, Pericles. Cristais partidos. Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 15 fev. 1916.

MARCANCELLAS, Max de. Gilka da Costa, cristais partidos. O Comércio, Niterói, 3 fev. 1916.

MURICY, Andrade. Presença de Gilka Machado. Jornal de Letras, Rio de Janeiro, n. 178, 1964.

OITICICA, José. Uma nova poeta brasileira. Jornal de Alagoas, Ma­ceió, 27 jan.1916.

PINTO, Cristina Ferreira. A mulher e o cânon poético brasileiro: uma leitura de Gilka Machado. Disponível em: <http://www.iacd.oas.org/RIB%20i%2098/pinto.htm>. Acesso em: 29 jun. 2002.

RIBEIRO, Miranda. A Cidade, Rio de Janeiro, 12 jan. 1916. Farpas.

________. Carta aberta à d. Gilka da Costa Machado” . A Cidade, Rio de Janeiro, 1915. Farpas.

SANTA CLARA, Lia de. Cristais partidos. O País, Rio de Janeiro, 13 fev. 1916.

SOARES, Angélica. O erotismo poético de Gilka Machado: um marco na liberação da mulher. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/NIELM (Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Mu­lher na Literatura), out. 2000 . Disponível em: <http://openlink.br.inter.net/nielm/angélica.htm>.

_______. Presença feminina do erotismo no poema hoje. Tempo Bra­sileiro, Rio de Janeiro, 80, p. 31-41, 1985.

TORRES, Antonio. Cristais partidos. A Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 2 jan. 1916.

PERIÓDICOS SEM ASSINATURA SOBRE GILKA MACHADO

A SEMANA elegante. Revista da Semana. Rio de Janeiro, 22 jan. 1916.

A RTE humilde. O Primeiro de janeiro, Diário do Porto, 4 jan. 1917. (Artigo publicado na primeira página).

CRISTAIS partidos, livro de versos de Gilka Machado, no prelo. A Notícia, Rio de Janeiro, 1915.

CRISTAIS partidos. Jornal de Alagoas, Maceió, 5 fev. 1916.

CRISTAIS partidos.Revista Parlamentar, Rio de Janeiro, 10 fev. 1916.

CRISTAIS partidos. A Vida em Minas, Belo Horizonte, 15 fev. 1916.

DUAS artistas de mérito em visita à Bahia. Diário da Bahia, Salvador, 27 ago. 1937.

LIVROS novos. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 4 fev. 1916.

NA URCA, cresce o ritmo vitorioso de "Os Três Ébrios”. Diário da Noite, Rio de Janeiro, 20 set. 1943.

PALESTRA feminina. O País, Rio de Janeiro, 7 fev. 1916.

REFERÊNCIAS SOBRE DANÇA

ARRUDA, Solange. Arte do movimento. As descobertas de Rudolf Laban na

dança e ação humana. São Paulo: PW Gráficos e Editores Associados,

, p. 41.

ANDERSON, Jack. Dança. Lisboa: Verbo, 1978.

BARIL, Jacques. La danza moderna. Barcelona: Paidós, 1987.

BEAUMONT, Cyril. O livro do ballet. Tradução de João Henrique Chaves Lopes. São Paulo: Editora Globo, 1953.

BOURCIER , P. Historie de la dance en Occident. Paris: Éditions du Seuil, 1978.

CANTON, Katia. E o príncipe dançou. São Paulo: Ática, 1994.

CAVALC NTI, Povina. A mulher e a dança. Rio de Janeiro, 1925. (Palestra realizada no Automóvel Club do Brasil).

________. "Gilka”. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, 1º, 2 out. 1955. p. 4 .

COOMARASWAMY, Ananda K. La danza de Siva. Madrid: Ediciones Siruela,

DALLAL, A. La danza moderna. México: Fondo de Cultura Econó­mica, 1975.

DUNCAN, Isadora. Fragmentos autobiográficos. Tradução de Lia Luft.Porto Alegre: L&PM, 1996.

_______. The art of the dance. In: CHENEY, Sheldon (Org.). New York: Theatre Arts Books, 1977.

_______. Minha vida. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

DUNLOP, Valerie Preston; GEARY, Angela. Symbolism and the European dance revolution. Dance Theatre Journal, London, v. 14, n. 3, 1998.

FARO, Antonio José; SAMPAIO, Luiz Paulo. Dicionário de balé e dan­ça. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1989.

FARO, Antonio José. Pequena história da dança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

________. A dança no Brasil e seus construtores. Rio de Janeiro: Fundacen, 1988.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1999.

FERNANDES, Ciane. O corpo em movimento. São Paulo: Annablume, 2002.

FUX, Maria. Dança experiência de vida. São Paulo: Summus, 1983.

GELEWSKI, Rolf. Dança vista mais profundamente. Salvador: Universi­dade Federal da Bahia, 1967.

GRAHAM, Martha. Memória do sangue. São Paulo: Siciliano, 1993.

HAZAN, Fernand. Dictionnaire du ballet moderne. Paris: Fernand Hazan, 1957.

HUMPHREY, Doris. The art of making dances. New York: Hot, Rinehart and Winston, 1960.

LABAN, Rudolf. Domínio do movimento. Tradução de Ana Maria Barros e Maria Silva Mourão. São Paulo: Summus, 1978.

_______. The mastery of movement. Revised and enlarged by Lisa Ullmann. Boston: Plays Inc.,1975.

_______. The mastery of movement on the stage. London: MacDonald &

Evans, 1950.

_______. Dança educativa moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

_______. Choreutics. London: MacDonald & Evans, 1976.

LIFAR, Serge. La danza. Barcelona: Labor, 1968.

LOUIS, Murray. Dentro da dança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

LOVE, Paul. Terminologia de la danza moderna. Buenos Aires: Editorial

Universitária de Buenos Aires, 1964.

MARKARD, Anna; MARKARD, Hermann. Joos. Köln/Cologne: Ballet-Bühnen-Verlag Rolf Garske, 1985.

MENDES, Míriam G. A dança. São Paulo: Ática, 1987.

MICHET, M .; GINOT, I. La danse au XX siècle. Paris: Bordas, 1995.

MONTEIRO, Mariana. Noverre: cartas sobre a dança. São Paulo: Editora da USP/Fapesp, 1998.

MORILLO , Roberto Garcia; KRINER, Dora. Estúdios sobre danzas. Buenos Aires: Centurion, 1948.

MULLER, H. Mary Wigman. Leben und werk der grossen Tänzerin. Berlin: Quadriga Verlag, 1986.

NAVAS, Cássia; DIAS, Lineu. Dança moderna. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1992.

NEWLOVE, Jean. Laban for actors and dancers. New York: Theatre Arts Books, 1993.

NIJINSKY, Romola. O diário de Nijinsky. Rio de Janeiro: Rocco, 1985.

NIJINSKY, Vaslav. Cadernos/o sentimento. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1998.

NORTH, Marion. Personality assessment through movement. London: MacDonald & Evans, 1978.

NOVERRE, Juan Jorge.Cartas sobre la danza y sobre los ballets. México: Dirección de Difusión Cultural/Departamento Editorial, 1981.

PERCIVAL, J. Modern ballet. London: Studio Vista/dutton Pictureback, 1970.

PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia. Lições de dança. Volume 2. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2000 .

PRESTON-DUNLOP, Valerie; GEARY, Angela. Symbolism and the European dance revolution. Dance Theatre Journal, Laban Centre London, v. 14, n. 3, 1998.

REGITZ, H. Tanz in Deutschland. Berlin: Quadriga Verlag, 1984.

RIBEIRO, António Pinto. Dança temporariamente contemporânea. Lis­boa: Codex/Passagens, 1994.

ROTERDÃO, Erasmo. Elogio da loucura. Tradução de Álvaro Ribei­ro. Lisboa: Guimarães & C., 1982.

SALAZAR, A. La danza y el ballet. México: Fondo de Cultura Económica, 1949.

SILVA, Soraia. Profetas em movimento. São Paulo: Edusp/Imprensa oficial, 2001.

_______. O Expressionismo e a dança. In: GUISBURG, Jacó (Org.). O Expressionismo. São Paulo: Perspectiva, 2002.

STEBBINS, Genevieve. Delsarte system of expression. New York: Dance

Horizons, 1977.

STOREY, A. Arabesques. New Wolsey: London, 1948.

SUCENA, E. A dança teatral no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura,1988.

THOMAS, H. Dance, modernity and culture. London; New York: Routledge, 1995.

WOSIEN. Bernhard. Dança: um caminho para a totalidade. São Paulo: Triom 2000, (Centro de Estudos Marina e Martin Harvey).

REFERÊNCIAS GERAIS

AMORA, Antônio Soares. História da literatura brasileira: séculos XVI—XX. São Paulo: Saraiva, 1955.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ARISTÓTELES. Arte retórica e arte poética. Rio de Janeiro: Ediouro, [s.d.].

AUGÉ, Marc. A guerra dos sonhos. Campinas: Papirus, 1998.

BACHELARD, Gaston. A Terra e os devaneios do pepouso: ensaio sobre

as imagens da intimidade. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

_______. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

_______. A terra e os devaneios da vontade: ensaio sobre a imaginação das

forças. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_______. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São

Paulo: Martins Fontes, 1997.

_______. O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BASBAUM, Leôncio. História sincera da República: de 1930 a 1960. São Paulo: Alfa-Omega, 1991.

BAUDELAIRE, Charles. Sobre a modernidade. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

BERGER , John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BRADBURY, M .; McFARLANE, J. Modernismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BRILL, Alice. Da arte e da linguagem. São Paulo: Perspectiva, 1988

CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 138.

CAMPOS, Augusto de. Coisas e anjos de Rilke. São Paulo: Perspectiva, 2001.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem e outras metas. São Paulo: Pers­pectiva, 1992.

_______. Metalinguagem & outras metas. São Paulo: Perspectiva, 1992.

CANDIDO, Antonio; CASTELLO, José Aderaldo. Presença da lite­ratura brasileira.

São Paulo: Difel, 1981.

CANTON, Katia. Novíssima arte brasileira. São Paulo: Iluminuras, 2001.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CASTRO , Manuel Antônio de. Crítica e poética no Laocoonte de Lessing. Juiz de Fora: Ipotesi/ Universidade Federal de Juiz de Fora/ EDUFJF, v.3, n.I, 1999.

COELHO , Nelly Novaes. O erotismo na literatura feminina do início do século

XX: da submissão ao desafio ao cânone. Disponível em <http://www.hottopos.com/vdletras3/nelly.htm>. Acesso em: 29 jun. 2002.

COWLING, Sally. British drama in profile. London: The British Council, 2001.

CAPALBO, Creusa. Linguagem e comunicação. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 29, p. 100-113, 1972.

CARDINAL, Roger. O Expressionismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

CHAUCHARD, Paul. A linguagem e o pensamento. São Paulo: Difusão

Européia do Livro, 1967.

CHIARELLI, Domingos Tadeu. O futurismo e a outra moderni­dade. São Paulo,

Revista de Comunicação e Artes, ECA -USP, ano 12, n. 16, 1986.

COSME, Luiz. Introdução à música. São Paulo: Editora Globo, 1959.

CUNHA, Celso Ferreira. Gramática da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Fename/Ministério da Educação e Cultura,1972.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contra­ponto, 1997.

DECCA , Edgar de. O nascimento das fábricas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1998.

DERRIDA, Jaques; BERGSTEIN, Lena. Enlouquecer o subjétil. São Paulo: Ateliê/ Imprensa Oficial SP/ Editora da Unesp, 1998.

DERRIDA, Jaques. Torres de Babel. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

DORFLES, Gillo. El devenir de las artes. México: Fondo de Cultura Económica, 1986.

_______. Nuevos ritos, nuevos mitos. Barcelona: Editorial Lumen, 1973.

_______. A evolução das artes. Lisboa: Arcádia, [ca.1969].

DROZ, Geneviève. Os mitos platônicos. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.

DUARTE, Maria de Souza. A educação pela arte. Brasília: Thesaurus, 1983.

ECO, Umberto. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1988.

_______. Conceito de texto. São Paulo: Edusp, 1984.

EMERSON, Ralph Waldo. Ensaios. Seleção, tradução e notas de José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1966.

EURíPIDES. Medeia. Tradução de Cabral do Nascimento. Lisboa: Editorial Inquérito, [s.d.].

FARIA, Zênia de. Mallarmé: concepções de leitura. In: Limiares críti­cos: ensaios de literatura comparada. Belo Horizonte: Autêntica/Instituto de Letras UFRGS, 1998.

FAUSTO, Boris. A revolução de 1930. São Paulo: Companhia das Le­tras, 1997.

FEITOSA, Charles. A paixão segundo Nietzsche. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, nº 143, p. 157-164, 2000 .

FORNAZARI, Sandro Kobol. O corpo-escritura de Nietzsche. Cadernos Nietzsche, São Paulo: Departamento de Filosofia da Univer­sidade de São Paulo, grupo GEN , n.II, 2001.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

FRYSZMAN , Noêmia D. O Expressionismo na literatura. Revista de Comunicação e Artes, São Paulo, ECA -USP, ano 12, n. 16, 1986.

FURNESS, R. S. Expressionismo. São Paulo: Perspectiva, 1990.

GENGOUX, Jacques. La pensée poétique de Rimbaud. Paris: Librairie Nizet, 1950.

GHIL, René. "En méthode a l’oevre”. Traité du verbe: états successifs. In: GOMES, Álvaro Cardoso (Org.). A estética simbolista. São Paulo: Editora Atlas, 1994.

GIBSON , Michael. Simbolismo. Köln: Taschen, 1999.

GRIECO , Agripino. Evolução da poesia brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947.

GUINSBURG , Jacó. Da cena em cena. São Paulo: Perspectiva, 2001.

________. O Expressionismo. São Paulo: Perspectiva, 2002.

HABERMAS, Jürgen. El discurso filosófico de Ia modernidad. Madrid: Taurus, 1989.

HAHNER, June E. A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas: 1850-1937. São Paulo: Brasiliense,1981.

HAL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

HEGEL. Georg. Wilhelm Friedrich. O belo na arte. São Paulo: Mar­tins Fontes, 1996.

________. Cursos de estética. São Paulo: Edusp, 2001.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

HÖRSTER, Maria António Ferreira. Para um estudo da bailari­na na lírica portuguesa da década de 50. In: Literatura comparada: os novos paradigmas. Porto: Associação Portuguesa de Literatura Comparada, 1996.

JAKOBSON, Roman. Lingüística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1969.

JÚNIOR, Benjamin Abdala; CAMPEDELLI, Samira Youssef. Tempos da literatura brasileira. São Paulo: Editora Ática, 1997.

JUNQUEIRA, Márcia Rodrigues. Uma relação intersemiótica: poesia e dança.

Cânones & contextos.5º Congresso Abralic — Anais. Rio de Janeiro, v. 3, 1998.

KANDINSKY, Wassili. Do espiritual na arte. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

KAYSER, Wolfgang. Análise e interpretação da obra literária.

Coimbra: Arménio Amado, 1967.

KOTHE, Flávio R. Literatura e sistemas intersemióticos. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1981.

LAURENTIZ, Paulo. A holarquia do pensamento artístico. Campinas: Unicamp, 1991.

LESSA, Ana Cecília; GUIMARÃES, Hélio de Seixas. Figuras de lin­guagem/teoria e prática. São Paulo: Atual, 1988.

LESSING, Gotthold Ephraim. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura

e da poesia. São Paulo: Iluminuras, 1998.

LEÃO, Emmanuel Carneiro. A poesia e a linguagem.Tempo Brasi­leiro, Rio de Janeiro, n. 29, p. 74-83, 1972.

_______. O porvir de Nietzsche. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 143, p. 73-80, 2000.

LEITE, Dante Moreira. O caráter nacional brasileiro. São Paulo: Pio­neira, 1969.

LÉVY, Pierre. A conexão planetária. São Paulo: Ed. 34, 2001.

LIMA, Luiz Costa. Mimesis e modernidade. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

LIMA, Rogério. O dado e o óbvio. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Universa, 1998.

LÔBO, Danilo. O pincel e a pena: outra leitura de Cesário Verde. Brasília: Thesaurus/Editora Universidade de Brasília (Núcleo de Estudos Portugueses), 1999.

________. Água viva: a obra de arte total. Cerrados, Brasília, Revista do Curso de Pós-Graduação em Literatura/TEL/UnB, n. 9 ano 8, 1999.

LYOTARD, Jean-François. Moralidades pós-modernas. Campinas: 1996.

MACHADO , Carlos Eduardo J. Debate sobre O Expressionismo. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1998.

MALLARMÉ, Stéphane. In: GOMES, Álvaro Cardoso. A estética Simbolista:

textos doutrinários comentados. Tradução de Eliane Fit­tipaldi Ferreira e Carlos Alberto Vecchi. São Paulo: Atlas, 1994. p. 868-869.

_______. Oeuvres complètes. Texto estabelecido e anotado por Henri Mondor e G. Jean-Aubry. Paris: Gallimard, 1945.

MALMBERG, Bertil. A fonética. Lisboa: Edição Livros do Brasil, 1954.

MARITAIN, Jacques. L'intuition créatrice dans l’art et dans la poésie. Paris: Desclée de Brouwer, 1966.

MARTON, Scarlett. Extravagâncias:ensaio sobre a filosofia de Nietzs­che. São Paulo: Discurso Editorial e Editora Unijuí, 2000, p. 53.

_______. Nietzsche, reflexão filosófica e vivência. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro , n. 143, p. 41- 54, 2000.

McLUHAN , Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem.

Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, [s.d .].

MEIRELES, Cecília. Batuques, sambas e macumbas: estudos de gestos e

ritmo, 1926-1934. Rio de Janeiro : Funarte, 1983.

MELO NETO, João Cabral. "Antiode”, Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileira: simbolismo. São Paulo: Cultrix,

Vol. III.

MORÉAS, Jean. Manifeste Simboliste. [Figaro Littéraire, 18 de setembro de 1886.] In: GUY, Michaud. Message poétique du Simbolisme. Paris: Nizet, 1947.

MORRIS, Ramona et Desmond. Des serpents et des hommes. Paris: Sto­ck, 1965.

MURARO, Rose Marie. Sexualidade da mulher brasileira; corpo e classe social no

Brasil. Petrópolis: Vozes, 1983.

MURICY, Andrade. Panorama do movimento simbolista brasileiro. Rio de

Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1952. Vol. I e III.

_______. Caminho de música. Curitiba: Ed. Guaíra, 1946.

NICHOLSON, Linda J. Feminism/Postmodernism. New York: Routledge, 1990.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

_______. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Círculo do Livro, [s.d.].

_______. Breviário de citações. São Paulo: Landy, 2001.

_______. Fragmentos Finais. Tradução de Flávio R. Kothe. Brasília: Editora Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002.

_______. O Anticristo. São Paulo: Centauro Editora, 2000.

_______. O nascimento da tragédia. Tradução de Jacó Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

_______. Obras completas. Tradução de Eduardo Ovejero y Maury. Madrid, 1962.

_______. Obras incompletas. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

NIN, Carlos Galilea. Canta Brasil. Madrid: Ed. Cubicas, 1990.

NUNES, Benedito. Andarilho do conhecer. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n.143, p. 81-88, 2000 .

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de et al. Pós-modemidade. Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

ORTEGA Y GASSET, José. A desumanização da arte. Tradução de Ricardo Araújo. São Paulo: Cortez, 2001.

_______. A idéia do teatro. Tradução de Jacó Guinsburg. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

OSBORNE, Harold. Estética e teoria da arte. São Paulo: Cultrix, 1968.

PATRIOTA, Margarida de Aguiar. Vanguarda: do conceito ao texto. Belo Horizonte: Itatiaia, 1985.

PAZ, Octavio. Los hijos del limo: del romanticismo a la vanguardía. Barcelona: Seix-Barral, 1974.

PEYRE, Henri. A literatura Simbolista. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1983.

PFEIFFER , Johannnes. La poesia. México: Fondo de Cultura Eco­nómica, 1951.

PINHEIRO , Xavier. Musa cívica: antologia brasileira destinada às escolas primárias da República. Prefácio de Rocha Pombo. Rio de Janeiro: Leite Ribeiro e Maurillo, 1920.

PLANT, Sadie. Mulher digital: o feminismo e as novas fronteiras. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1999.

PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 1987.

_______. Arte e interatividade: autor-obra-recepção. VIS, Revista do Mes­trado em Arte e Tecnologia da Universidade de Brasília, v. 3, n. 3, 2001.

PLATÃO. O banquete. Tradução de J. Cavalcante de Souza. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

POE, Edgar Allan. The poetic principle. In: The Complete poems and stories with selections from his critical writings. New York: Alfred A. Knopf, 1958. Vol. II.

PORTELLA , Eduardo. O signo e os signos. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 29, p. 129-134, p. 1972.

POUND, Ezra. ABC da literatura. São Paulo: Cultrix, [s.d.].

POTTIER, Bernard et al. Estruturas lingüísticas do português. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1973.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

RIMBAUD, Arthur. Oeuvres. Paris: Mercure de France, 1956.

ROSENFELD , Anatol. Teatro moderno. São Paulo: Perspectiva, 1997.

SALAZAR, Adolfo. Las grandes estructuras de la música. México: Fondo de Cultura Econômica, 1940.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação e pesquisa: projetos para mestrado e doutorado. São Paulo: Hacker Editores, 2001.

_______. Miniaturas: ensaios breves. São Paulo: Cespuc, 1996.

SANT'ANNA, Affonso Romano de. O canibalismo amoroso: o desejo e a interdição em nossa cultura através da poesia. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SARDUY, Severo. Escritos sobre O corpo. São Paulo: Perspectiva, 1979.

SCHILLER , Federico. De la gracia y la dignidad. Buenos Aires: Universidad de Buenos Aires, Facultad de Filosofia y Letras/Instituto de Estúdios Germânicos, Imprenta de la Universidad, 1937.

SCHURÉ, Édouard. Os grandes iniciados. São Paulo: Martin Claret Ed., 1986.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole. São Paulo: Compa­nhia das Letras, 1992.

SHEPPARD, Richard. O Expressionismo na Alemanha. In: BRADBURY, M. e MCFARLANE, J. (Org.). Modernismo, São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

SIBILIA, Paula. O homem Pós-orgânico: corpo, subjetividade e tecno­logias digitais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

SILVA, Anazildo Vasconcelos da. A lírica brasileira no século XX. São Paulo: Editora Vertente Ltda., 1998.

_______. Semiotização literária do discurso. Rio de Janeiro: Elo, 1984.

SILVA, Vítor Manuel de Aguiar e. Teoria da literatura. Coimbra: Livraria Almedina, 1969.

STEINER, George. Linguagem e silêncio. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SUBIRATS, Eduardo. Da vanguarda ao pós-moderno. São Paulo: Nobel, 1984.

_______. Vanguardas, mídias, metrópoles. São Paulo: Nobel, 1993.

_______. A penúltima visão do paraíso. São Paulo: Studio Nobel, 2001.

SWAIN, Tania Navarro (Org.). Feminismos: teorias e perspectivas. Textos de história, Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UnB,

Brasília, Editora Universidade de Brasília, v. 8, n. 1-2, 2000 .

SWEDENBORG, Emanuel (1688-1772). Heaven and its wonders and hell: from things heard and seen. Translated from the original Latin by John C. Ager. West Chester, Pennsylvania: Swedenborg Foundation, 1995.

TELES, G. M. Vanguarda européia e Modernismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1986.

TINIANOV, Iuri. El problema de la lengua poética. Buenos Aires: Siglo xxi, 1972.

TREVISAN, Armindo. A dança do sozinho. São Paulo: Pespectiva, 1988.

TUGAL, Pierre. Petite histoire de L’art et des artistes. Paris: Fernand Nathan, [s.d.].

VALÉRY, Paul. Écrits divers sur Stéphane Mallarmé. Paris: Gallimard, 1950.

VATTIMO, Gianni. A sabedoria do super-homem. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 143, p. 15-24, 2000.

_______. O fim da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

WADE, Graham. La música y sus formas. Madrid: Altalena Editores, 1986.

WARREN, Austin; WELLEK, René. Teoria da literatura. Lisboa: Pu­blicações Europa América/Biblioteca Universitária, 1971.

WICH, Rainer. Pedagogia da Bauhaus. São Paulo, Martins Fontes, [s.d.].

WIENER, Norbert. Cibernética e sociedade. São Paulo: Cultrix, [s.d.].

WILSON, Edmund. O Castelo de Axel: estudo acerca da literatura imaginativa de 1870 -1930. Tradução de José Paulo Paes. São Pau­lo: Cultrix, 1967.

WINGLER, Hans M. La Bauhaus Weimar Dessau Berlin, 1919-1933. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1975.

ZAJDSZNAJDER, Luciano. Ética, estratégia e comunicação na passagem da modernidade à pós-modernidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

Capa para Poemadançando: Gilka Machado e Eros Volúsia
Publicado
agosto 15, 2017

Detalhes sobre essa publicação

Co-publisher's ISBN-13 (24)
978-85-230-0976-2