Estrutura metodológica para avaliação ambiental do projeto arquitetônico: fundamentos teóricos

Autores

Marta Bustos Romero
Universidade de Brasília (UnB)
https://orcid.org/0000-0002-4222-8463
Leonardo Pinto de Oliveira
UniCEUB
https://orcid.org/0000-0002-2636-7420

Sinopse

O livro, em seu primeiro volume, resgata os fundamentos teóricos estudados em pesquisa realizada por seus autores e subsidia a base metodológica proposta para avaliação da qualidade do Projeto Arquitetônico sob os seus aspectos de sustentabilidade e desempenho ambiental. São fundamentos vinculados às questões da sustentabilidade, demandas ambientais, certificações ambientais para edifícios e metodologias de projeto arquitetônico. A Estrutura Metodológica cria novos critérios que incrementam as metodologias existentes de certificação ambiental para o edifício, possibilitando assim, a certificação do projeto de arquitetura antecipando as providencias necessárias para alcançar o desempenho desejado. Os procedimentos de avaliação serão apresentados no segundo volume da série: Estrutura metodológica para avaliação ambiental do Projeto Arquitetônico.

Capítulos

  • Introdução
  • Capítulo 01
  • Capítulo 02
  • Capítulo 03
  • Capítulo 04
  • Referências

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACSELRAD, H. (1999). Publicação semestral da ANPUR. REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS.

ADORNO, T. (1982). Teoria Estética. São Paulo: Martins Fontes.

AMBASZ. E. Acros Building, Japão. Disponível: https://arquiambiental.blogspot.com/search?q=emilio, acessado 22/06/2020.

Arquitetura & Ambiente. (2007, Março 02). Arquitetura & Ambiente. Retrieved Março 23, 2009, from Arquitetura & Ambiente: http://arquiambiental.blogspot.com/2007/03/seo-projetos-bioclimticos.html

BEDENDO, I., & KRONCA, R. (2006). O Conceitto de Sustentabilidade presente na obra de Rino Levi, Estudo de Caso: Edifício Sul Americano. São Paulo: NUTAU.

BENEVOLO, L. (2007). A Arquitetura do Novo Milênio. São Paulo: Estação Liberdade.

BURSZTYN, M. (2001). Ciência, Ética e Sustentabilidade: Desafios ao Novo Século. São Paulo: UNESCO.

CARTER, T. e. (1999). Interim characterizations of regional climate and related changes up to 2100 associated with the provisional SRES marker emissions scenarios. Guidance for lead authors of the IPCC working group II third assessment report.

CEPINHA, E., & RODRIGUES, M. (2003). Sistemas de avaliação na construção sustentável: Alpicação do Green Building Tool. Lisboa: Portugal.

CHAMORRO, A. (2001). Marketing Ecológico, sí marketing ecológico. Buenos Aires: Universidad de Extremadura.

CORRALES, Casa de Steve Baer, Corrales, New México, 1971, Disponível em: http://solarge.org/uploads/media/SOLARGE_goodpractice_fr_saignon.pdf, acessado 22/06/2020.

CROWTHER R. The Cooper Theatre. Colorado. Disponível em: http://customrodder.forumactif.org/t4877-cooper-cinerama-architect-richard-crowther-denver-usa#60201, acessado 22 de junho de 2020.

DALY, H. (1996). Beyond Growth - The Economics of Sustentable Develoment. Boston: Beacon Press.

DEMANDORO, A. (2001). Uma Metodologia Alternativa para Avaliação Ambiental a partir dos Conceitos de Totalidade e Ordem Implicada. Campinas: UNICAMP.

FERRÃO, A., DEMANDORO, A., & MARIOTONI, C. (2002). Desafios da sustentabilidade sob o enfoque de recursos naturais. Campinas: UNICAMP.

FERRO, S. (2006). Arquitetura e Trabalho Livre. São Paulo: Cosacnaify.

FLICKR. (2009). FLICKR. Retrieved Março 23, 2009, from FLICKR: http://www.flicker.com

Fundação Vanzollini. (2008). Fundação VanzolliniFundação Vanzollini. Retrieved Maio 15, 2008, from Fundação Vanzollini: http://www.vanzolini.org.br

Geaconstruction. (2008). Retrieved Março 18, 2009, from Geaconstruction: http://www.geaconstruction.com

Green Building Council Brasil. (2009). Green Building Council Brasil. Retrieved Março 20, 2009, from Green Building Council Brasil: http://www.gbcbrasil.org.br/pt/index.php

GREIMAS, A. (1971). Elementos para uma Teoria da Interpretação da Narrativa Mítica. In A. GREIMAS, Análise Estrutural da Narrativa (pp. 61-109). Petrópolis : Editora Vozes.

Guitton, T. L. (2004, 02 17). Meio Ambiente: Jonesburgo 2002 vai influir na política ambiental. (Comissão Nacional de Meio Ambiente) Retrieved 07 22, 2009, from cna.org.br CNA: Nº 184 - Ano 2002 - Maio/ Junho: http://www.cna.org.br/site/noticia.php?n=907

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. (2009). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Retrieved Março 18, 2009, from Pnud: http://pnud.cptec.inpe.br

Japan Sustainability Building Consortium. (2002). CASBEE Comprehensive Assentment system for Building Environmental Efficiency. Retrieved Março 20, 2009, from Comprehensive Assentment system for Building Environmental Efficiency: http://www.ibec.or.jp/CASBEE/english/overviewE.htm

LabEEE - Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. (2007). LabEEE - Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. Retrieved Março 23, 2009, from LabEEE - Laboratório de Eficiência Energética em Edificações: http://www.labeee.ufsc.br

LAMBERTS, R., DUTRA, L., & PEREIRA, F. (1997). Eficiência Energética na Arquitetura. Florianópolis: UFSC.

LASSANCE, G. (2008, janeiro). Transições entre os Planos Conceitual e Material da Concepção Arquitetônica em Louis Kahn. Arquieturarevista, pp. :33-48.

LIDER A. (2008). LIDER A. Retrieved Maio 29, 2008, from LIDER A: http://www.lidera.info/lidera

MARTINEZ, A. C. (2000). Ensaio sobre o Projeto. Brasília: UnB.

MEADOWS, D. H., MEADOWS, D., & RANDERS, J. &. (1973). Limites do Crescimento. São Paulo: Editora Perspectiva.

NICOLAS F. Elderly House Saignon, France, Disponível em: http://solarge.org/uploads/media/SOLARGE_goodpractice_fr_saignon.pdf, acessado 22/06/2020.

OLIVEIRA, B. S. (2002). A Construção de um Método para a Arquitetura. São Paulo.

PATRICIO, R. R. (2002). Tese:Desenvolvimento de metodologia para Avaliação de Desempenho Ambiental em Edifícios Adaptada à Realidade do Nordeste Brasileiro. Rio Grande do Norte: UFRN.

PIÑÓN, H. (2006). Teoria do Projeto. Porto Alegre: Livraria do Arquiteto.

POINCARÉ, H. (1985). A Ciência da Hipótese. Brasília: UnB.

PRADO, A. L. (2006, Janeiro). Em Busca da Pertinência para uma Arquitetura Tropical. Mínimo Denominador Comum, pp. 10-13.

PROCEL, M. d. (s.d.). PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. (Eletrobrás) Acesso em 04 de agosto de 2009, disponível em PROCEL Eletrobrás: http://www.eletrobras.gov.br/ELB/procel/main.asp

ROBINSON, J. (2004). Squaring the circle? Some thoughts on the idea of sustainable development. Ecological Economics, 369-384.

ROMERO, M. A. (2000). A Sustentabilidade do Ambiente Urbano da Capital. Brasília: UnB.

ROMERO, M. A. (2004). Urbanismo Sustentável para a Reabilitação de Áreas Degradas, Relatório de Produtividade de Pesquisa 2001-2004. Brasília: CNPq.

SEQUEIRA, J. M. (2007). A Concepção Arquitetônica como Processo: O Exemplo de Christopher Alexander. Lisboa: UTL.

SILVA, V. (2003). Avaliação da sustentabilidade de edifícios de escritórios brasileiros. São Paulo: USP.

SOLARGE. (2008). SOLARGE. Retrieved Março 23, 2009, from SOLARGE: http://www.solarge.org

U.S. Green Building Coucil. (2009). usgbc.org. Retrieved Março 20, 2009, from usgbc.org: http://www.usgbc.org/DisplayPage.aspx?CategoryID=19

VIOTTI, E. B. (2001). Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustetável Brasileiro. Brasília, DF: UNESCO.

VITOUSEK, P. M., EHRLICH, P. R., EHRLICH, A. H., & MATSON, P. A. (1986). Human appropriation of the products of photosynthesis. Bioscience.

YEANG, K. (1996). The Skyscraper: Bioclimatically Considered. Malaysia: Wiley-Academy.

YEANG, K. (1999). Proyectar con la Naturaleza. Barcelona: Gustavo Gili.

Capa para Estrutura metodológica para avaliação ambiental do projeto arquitetônico: fundamentos teóricos
Publicado
agosto 4, 2020

Detalhes sobre essa publicação

Co-publisher's ISBN-13 (24)
978-65-00-05173-5